Feeds:
Posts
Comentários

Archive for agosto \30\UTC 2011

não sei dizer

é bonito o gesto tímido de abaixar a cabeça e sorrir por dentro. ele, na porta do elevador. eu, distraída. de camiseta e tênis. dois passos desconcertados: o meu e o dele. eu indo, ele vindo, os dois voltando. você tava no show? pergunto sem querer. sim, tava, tava, no show. vou. ele fica. sorrio, transpiro, mando uma mensagem pra bem longe, quero pular, subo a tal da augusta.

Read Full Post »

leve:

Read Full Post »

os reis do nada

meu avô deixou a minha avó com onze filhos. foi morar com outra mulher. e ele era o rei da lábia, ela me contava. apostava em cavalinhos. e antes, mandava cartas para portugal, onde minha avó passava uns tempos. eram dias num navio. a vida por lá e depois outros tantos dias pra voltar. então eu perguntei pra ela sobre as cartas. eu queria tanto ler tudo aquilo que ela lembrava ainda com brilho nos olhos. mas ela dava de ombros, tinha queimado tudo. eu era mais nova e achava tão tão pecado ter queimado tudo. apesar do abandono. apesar da outra mulher, a amante. apesar de tudo. aí hoje eu entendo. vejo assim: pra que guardar as cartas de um escroto? apaguei todos os meus emails logo de manhã. e fotos e brilhos nos olhos. não existe mais nada. nem pra literatura.

Read Full Post »

ainda é hoje

passou da meia-noite, mas ainda é
foi ele que me ensinou a sonhar
ainda pequenininha
de olhos fechados, querendo a montanha russa
depois eu abri os olhos
e vi que ele continuava sonhando
tentei fazer igual
e não é fácil
é preciso uma mágica que eu ainda não aprendi
ele tem a mágica
e a realidade não chega nem perto
o homem mais feliz do mundo
que disse ainda agora:
ah, acabou,
queria fazer aniversário todo dia

parabéns, pai

por mim pode ser todo dia sim
porque você merece

vem cá:
fecha os olhos

Read Full Post »

vai,
não tem mais pesadelo
dorme,
as vozes estão lá fora
olha,
tem sol perto da janela

ufa, tem bebida que faz cócegas no nariz

Read Full Post »

sem título

tem um furo no meio da porta e eu vejo vocês dois sorrindo. ela é linda e tem o cabelo que eu sempre quis ter. ele é lindo e tem a sensatez que eu sempre quis ter. todos os dias os dois passam embaixo da minha janela e é sempre na hora que começo a dormir ou acordar. nas duas horas, precisamente. vejo os dois lá de cima, mas é como se eu estivesse lá embaixo, bem abaixo deles. um buraco daqueles que nem escalando com todas as mãos chegaria ao piso de chão. com os pés. e a cabeça sobre o pescoço. eu tinha ganhado um vaso de flores e tinham as outras já compradas e todas ficavam juntas na sala, mas não teve sol suficiente. e então não sobrou nada. nem a terra. ou melhor, ficaram uns cabinhos que ela achou melhor cortar e deixar lá tomando ar. eu fiquei tomando ar e passaram todos os dias da minha vida. os cabinhos enterrados. e a terra querendo cuidar. mas o sol não volta e aí a terra não dá conta. eu cortei o cabelo e nunquinha vou ter o cabelo como o dela. eu me joguei da janela e nunquinha vou ter a sensatez como a dele.

Read Full Post »

duas palavras

‘nunca mais’ eram as duas palavras que me amedrontavam e me moviam. então eu meti os pés pelas mãos. de novo. e ‘nunca mais’ virou questão real. imutável. eu sentei minha bunda no sofá e curti a ressaca sem causa alcoólica. aí olhei o sol e meti os pés na rua. vão passar dias, meses e anos. eu já passei há meses e me dá vontade de chorar quando penso. racionalizar a realidade dói de um jeito sem tamanho. fantasiar me fode. eu sonhei tanto que me tornei pesadelo. e tenho tanta raiva de ter sido assim. fico pensando: burra burra burra. e finjo que esqueci enquanto cozinho meu primeiro almoço na casa nova.

colchetes, estrelinhas – asteriscos?

eu te atormento com textos direcionados. você acha que é pra você. você acha que é personagem. e eu continuo escrevendo: você você você. escrever não é procurar. escrever é me distanciar. caso você ainda lesse. sei bem que não tem mais você.

uma foto bonita de buenos aires, espaço, enter

quando eu crescer tudo vai passar.

Read Full Post »

Older Posts »